Notice (8): Undefined index: HTTP_ACCEPT_LANGUAGE [APP/Config/bootstrap.php, line 46]
Warning (2): Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/nutri430/public_html/lib/Cake/Utility/Debugger.php:795) [CORE/Cake/Network/CakeResponse.php, line 459]
Novidades | Nutriplan - Cultivando a vida - Jardinagem em geral e decoração
Nutriplan - Cultivando a vida - Jardinagem em geral e decoração

fique por dentro das

novidades

Tipos de grama: Quando e como usar

por Nutriplanna categoria Dicas
Tipos de grama: Quando e como usar

1. Grama-amendoim

Uso: Ótima para canteiros e áreas de pouca passagem. Também é muito utilizada como pastagem nutritiva.

Vantagem: Apresenta pequenas inflorescências amarelas, que se formam na primavera e no verão. 

Características: Sua folhagem tem crescimento rápido e forma um denso colchão verde que dispensa podas periódicas. Tolera secas e encharcamentos, mas não resiste a geadas e pisoteio.

Exige: Pleno sol ou meiasombra.

2. Grama-santo-agostinho

Uso: Ideal para regiões litorâneas, pois tolera bem a salinidade do solo.

Vantagem: Rústica, é resistente ao frio e à sombra.

Características: Suas folhas verdes e levemente azuladas são lisas, sem pelos
e com as pontas arredondadas. Elas apresentam largura e comprimento médios.

Exige: Pleno sol ou meiasombra.

3. Grama-esmeralda

Uso: Macia e resistente ao pisoteio, é sugerida para áreas residenciais e playgrounds.

Vantagem: É o exemplar mais comercializado no Brasil.

Características: Apresenta folhas médias e estreitas, na cor que a nomeia;
enraíza com facilidade, por isso é excelente para controle de erosão. Tem boa resistência
a aridez e a solos alcalinos e ácidos.

Exige: Prefere pleno sol.

4. Grama-preta

Uso: Ornamental, é uma boa escolha para criar bordaduras e canteiros. Ótima para áreas sombreadas.

Vantagem: Cresce rapidamente, não requer poda e se dá bem em quase qualquer tipo de solo.

Características: Ao contrário do que parece, não é uma gramínea, mas é uma excelente forração. Não apresenta caule e tem folhas finas e escuras. Tolera o calor e a seca prolongada.

Exige: Meia-sombra ou pleno sol.

5. Grama-são-carlos

Uso: Forma gramados densos, o que faz dela uma ótima opção para áreas grandiosas, como casas de campo.

Vantagem: É resistente a pragas e ervas daninhas, solos encharcados e ao pisoteio.

Características: Tem folhas largas e lisas, sem pelos, de cor verde intensa e
com crescimento lento.

Exige: Pleno sol ou meia sombra.

3 dicas fundamentais sobre grama

PLANTIO: As melhores épocas para plantio são a primavera e o verão, quando aumenta o índice de chuvas. Mas, antes, cuide do solo. Faça uma limpeza para retirar ervas daninhas e atente para a nivelação do terreno.

REGAS: Nas duas primeiras semanas após o plantio, regue o gramado diariamente, sempre ao final do dia, para que as folhas não sejam queimadas pelo sol. Depois, a quantidade de rega deve variar de acordo com o clima e a insolação do local escolhido.

PODAS: Para garantir a saúde do gramado, mantenha altura de 5 a 10 centímetros. Mas cuidado: cortes muito frequentes tendem a esgotar as reservas nutritivas da grama, deixando-a fraca, suscetível ao ataque de pragas e doenças. Depois da poda, varra a grama com uma vassoura metálica para retirar folhas secas e arejar o solo.

 

Fonte: http://revistacasaejardim.globo.com/

Plantas que ficam em ambientes internos merecem cuidados

por Nutriplanna categoria Dicas
Plantas que ficam em ambientes internos merecem cuidados

Mesmo em um pequeno ambiente ou em algum cantinho, é possível de maneira simples o cultivo de plantas. Tudo o que precisa ser feito é escolher as mais adequadas e que se adaptem melhor às condições que o local tem a oferecer.

As plantas que ficam em ambientes interiores precisam de mais cuidados do que aquelas que ficam ao ar livre. Isso porque há problemas como a luminosidade, que se torna reduzida, o baixo nível de umidade, e o pequeno espaço para suas raízes, já que ficarão em vasos.

Para escolher a planta que melhor se encaixa no ambiente, é necessário um estudo do local para saber se o mesmo é adequado e suportará o crescimento da espécie e também, para saber, se a luminosidade que chega ao local é a necessária para a planta desenvolver.

Os demais cuidados, como irrigação, variam de espécie a espécie, lembrando que não deve ser mais espaçada do que o necessário e, também, não ser em abundância para que não aconteça o apodrecimento das raízes. Outra dica importante é colocar argila ou cacos de cerâmica no fundo dos vasos para que ocorra o acumulo de água.

As plantas que se adaptam melhor a locais fechados são: Afelandra, Agapanto, Ajuga, Alocásia ou Punhal-malaio, Arália, Aspargo-samambaia, Avenca, Azulzinha ou Evólvulo, Begônia, Cordiline ou Dracena vermelha, Crossandra, Érica ou Falsa-érica, Filodendro, Flor-de-maio e Rosa-do-deserto ou Adenium.

Fonte: Revista do ZAP.

Os 10 principais erros cometidos com os bonsais

por Nutriplanna categoria Dicas
Os 10 principais erros cometidos com os bonsais

Luz deficiente.

O bonsai pode ser utilizado como elemento decorativo da casa, no entanto, é importante não esquecer que a maioria dos bonsais é criada a partir de plantas que necessitam de muita luz. Muitas pessoas caiem no erro de colocar o bonsai em locais de pouca luz, o que irá comprometer a saúde e crescimento da planta. Coloque o seu bonsai perto de uma janela ou pelo menos garanta que esteja exposto, no mínimo, a 3 horas de luz natural por dia.

Carência de água.

Uma vez que os bonsais se encontram em vasos de pequenas dimensões, a quantidade de água que fornece ao bonsai pode não ser suficiente, uma vez que os vasos não permitem grande armazenamento. Garanta que rega o bonsai várias vezes ao dia, sendo que na maioria das espécies é importante molhar também as folhas. Contudo, não se esqueça que só necessita de o voltar a regar se a terra estiver seca, caso contrário, estará a dar água em excesso ao bonsai.

Regar através do prato.

A rega do bonsai não deve ser feita através do prato que se encontra por baixo do vaso, mas sim através de um regador. Ao colocar água no prato, pode saturar a planta, levando ao apodrecimento das raízes.

Usar água da torneira.

Os bonsais são plantas muito sensíveis. Regá-las com água da torneira pode comprometer a sua saúde, visto que são sensíveis ao cloro. Regue o bonsai com água engarrafada ou filtrada.

Excesso de adubo.

A quantidade de terra presente no vaso é pequena e o crescimento da planta é lento, logo o bonsai não necessita de grandes quantidades de adubo. A maioria das pessoas tende a exagerar na quantidade de adubo que aplicam no bonsai, o que pode conduzir à morte da planta. Garanta que o bonsai receba pequenas quantidades de adubo na altura do Outono e Primavera.

Só usar adubação mineral.

Para além do adubo mineral, o bonsai necessita de adubação orgânica, que encontra em lojas da especialidade. Usar exclusivamente um tipo de adubo pode comprometer a saúde e o crescimento do bonsai.

Nunca transplantar o bonsai.

Apesar do seu crescimento ser lento, o bonsai não deve permanecer sempre no mesmo vaso. Quando as raízes estiverem a ocupar toda a área do vaso, é importante que o bonsai seja transplantado para um vaso maior, de forma a garantir o seu desenvolvimento saudável.

Não tratar pragas.

Tal com as demais plantas, também os bonsais estão sujeitos a algumas pragas que podem revelar-se prejudiciais. É importante que, periodicamente, trate o bonsai com um produto específico contra pragas, de forma a garantir a saúde plena da planta.

Nunca podar as raízes.

É importante que o crescimento do bonsai seja estimulado e a maioria das pessoas descura a poda das raízes mais grossas do bonsai, de forma a promover o crescimento das raízes mais pequenas. Faça-o uma a duas vezes por ano.

Poda de manutenção. Podar o bonsai não é apenas uma questão de estética, de forma a criar uma planta bonita. É importante que a poda seja feita em locais estratégicos de forma a que os ramos escondidos tenham acesso à luz para crescerem. Antes de podar a planta, observe-a bem para encontrar ramos escondidos que necessitam de luminosidade. Para assegurar o desenvolvimento saudável do bonsai, a poda de manutenção deve ser feita algumas vezes por ano, nomeadamente na mudança da estação.